Arquivo da categoria: Métodos e Técnicas

Seminário de Investigação em Métodos e Técnicas de Recolha de Dados

Reflexão, avaliação final e autoavaliação dos percursos seguidos na unidade curricular

Esta atividade do e.portifólio atingiu o objetivo a que se propõe, se configurando no resgate à experiência vivenciada em um determinado período, e possibilitando, no caso de nossa vivência acadêmica, a visão geral sobre o que produzimos neste Seminário e a reflexão acerca do próprio desempenho acadêmico.

Assim, elegemos como itens a serem considerados nessa reflexão: desempenho próprio, o que posso melhorar na próxima unidade curricular, avaliação final da unidade curricular e agradecimentos.

1. Desempenho próprio

Diante do grande desafio que é cursar um doutorado, principalmente por meio da educação a distância, considero que este início foi superado com louvor, já que:

  • tentei manter contato permanente com os professores e os demais doutorandos para que pudesse atender aos objetivos definidos;
  • busquei a maioria das fontes indicadas para aprofundamento de estudos;
  • realizei as tarefas propostas com empenho e de forma analítica e reflexiva, considerando as orientações, sugerindo e incluindo as necessidades pertinentes;
  • contribuí com as produções em grupo, respeitando e considerando as opiniões dos demais colegas;
  • transcendi as habilidades tecnológicas para criação e implementação do blog.

2. O que posso melhorar na próxima unidade curricular

  • Expandir a iniciativa tímida que tive em utilizar referências e produções acadêmicas brasileiras nas produções próprias no doutorado;
  • Continuar aprimorando as habilidades tecnológicas para implementação do e.portfólio.

3. Avaliação final da unidade curricular

Aspectos positivos e sugeridos para permanência:

  • indicação de recursos didáticos;
  • integração de docentes para acompanhamento, orientação e avaliação das unidades curriculares;
  • flexibilidade no contrato de aprendizagem que não prejudique o andamento do processo;
  • compreensão e reflexão dos docentes quando da necessidade de alteração em algum aspecto no contrato de aprendizagem que facilite o encaminhamento das ações;
  • envio de avaliações parciais ao término de cada tema abordado, servindo de direcionador para a próxima etapa.

Aspectos sugeridos para reflexão e repensar no processo acadêmico:

  • esta unidade curricular foi adequada às suas especificidades, não havendo desacordo ao trabalho desenvolvido.

4. Agradecimentos

A Deus, pela graça da vida e por ter colocado em meu caminho essa oportunidade em estar realizando uma vontade adormecida por conta das dificuldades em me desprender dos compromissos profissionais e familiares para realização de um curso de doutorado fora do estado em que resido, pois não temos no Brasil cursos de mestrado e doutorado a distância.

Ao meu marido, Marcio, pela compreensão inesgotável e pelo apoio constante em meu estudo, sendo meu tutor presencial na área tecnológica.

Às nossas filhas, Jéssica e Giovanna, de 9 e 4 anos de idades, respectivamente, pela compreensão em dividir o tempo de atenção a elas com os estudos, mesmo que uma compreensão em meio a algumas reivindicações.

Aos meus pais por contribuírem na atenção às nossas filhas, quando necessário.

Agradeço à Universidade Aberta por disponibilizar um curso de Doutorado em Educação a distância, oportunidade em que solicito desde já apoio institucional para validação e reconhecimento do diploma junto ao Ministério da Educação no Brasil.

Às professoras Luísa Aires e Manuela Malheiros e ao professor Luís Tinoca pela competência em orientar nossos estudos e pela compreensão em atender as solicitações dos doutorandos.

Aos demais doutorandos pela disponibilidade para troca de conhecimentos e colaboração nas produções acadêmicas.

Tema 5: A comunicação pública da investigação científica em Educação

Professores: Luís Tinoca, Luísa Aires e Manuela Malheiro

1. Sinopse

Orientações acerca do planejamento e necessidades estratégicas para divulgação dos resultados da investigação científica.

2. Objetivo

  • Conhecer estratégias sobre a comunicação pública da investigação científica.

3. Tarefas propostas

Leitura dos textos propostos sobre a comunicação pública da investigação científica em Educação

4. Trabalhos produzidos

5. Referências

MC NERNEY, Oonagh. Guide to the successfull use and dissemination of reseach and development projects. Disponível em
http://ec.europa.eu/research/sme-techweb/pdf/use_diffuse.pdf. Acesso em 04/03/11.

National Center for the Dissemination of Disability Research Develloping an effective dissemination plan. (1996). Disponível em http://www.researchutilization.org/matrix/resources/dedp/#devel. Acesso em 04/03/11.

6. Reflexão sobre a pertinência científica e pedagógica.

  • Reflexão sobre a necessidade de constituirmos, enquanto investigadores científicos, o plano estratégico para divulgação e evidência dos resultados obtidos no estudo científico.

Tema 4: Técnicas quantitativas e qualitativas

Metodologia de trabalho para o tema

Para desenvolvimento das tarefas no tema 4, os professores dividiram a metodologia de trabalho em duas partes, tendo como parâmetro a abordagem teórica enfatizada:

  • 1ª parte: técnicas quantitativas, orientada pelo professor Luís Tinoca;
  • 2ª parte: técnicas qualitativas, orientada pela professora Luísa Aires.

Assim, para melhor organização e compreensão deste e.portfólio, os itens que compõem esta reflexão serão apresentados em ambas abordagens teóricas do tema estudado, porém, separadamente.

1ª PARTE

TEMA 4a: Técnicas quantitativas.

Professor: Luís Tinoca

1. Sinopse

Realização de análise crítica sobre questionário empregado como instrumento de coleta de dados em uma investigação científica que utilizou a técnica quantitativa como base metodológica.

2. Objetivo

  • Elaborar análise crítica da aplicação de questionário de coleta de dados utilizado pelo autor da investigação científica selecionada para estudo.

3. Tarefas propostas

Para aprofundamento das abordagens realizadas, as tarefas foram divididas em duas fases, as quais consideram mesmo instrumento de coleta de dados empregado em uma investigação científica que utilizou a técnica quantitativa como base metodológica. As produções foram realizadas pelos mesmos grupos formados no tema 3.

1ª fase

  • Seleção de um questionário utilizado por outro autor em uma investigação científica.
  • Elaboração de análise crítica sobre a aplicação do questionário indicando explicitamente:
  1. Breve descrição do problema de investigação (correção das questões de investigação).
  2. O tipo de amostra escolhido (o método de seleção da amostra e a sua adequação às generalizações que foram, ou não, feitas).
  3. O questionário utilizado (a construção do questionário);
  4. A análise quantitativa realizada (os testes de hipóteses que foram realizados e os que não foram, mas deveriam ter sido).
  5. A medida de magnitude do efeito apropriada (as medidas de magnitude que foram, ou deveriam ter sido referidas).

2ª fase

  • Partilha da análise do próprio grupo com os colegas por meio de postagem da produção final em fórum de discussão específico, criado pelo professor.
  • Leitura crítica das várias propostas apresentadas, tendo particular atenção:
  1. A adequação do questionário ao problema de investigação.
  2. O tipo de amostra utilizado.
  3. A análise feita e a medida de magnitude proposta.
  • Feedback aos comentários que a proposta do próprio grupo receber.
  • Debate de quaisquer outras dificuldades que os doutorandos enfrentaram.

4. Trabalho produzido

Técnicas Quantitativas

5. Fontes

Coelho, J., Cunha, L. e Martins, I. (2008). Inferência Estatística. Lisboa: Sílabo.

Faria, C. (2008). Vinculação e Desenvolvimento Epistemológico em Jovens Adultos, Tese de doutoramento. Universidade do Minho.

Hill, M. e Hill, A. (2009). Investigação por Questionário. Lisboa: Sílabo.

Martinez, L. e Ferreira, A. (2010). Análise de Dados com SPSS. Lisboa: Escolar Editora.

Trochim, W. (2006). Research Methods. Knowledge Base. Web Center for Social Research Methods.

Tuckman, B. (2005). Manual de Investigação em Educação. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian.

6. Reflexão sobre a pertinência científica e pedagógica.

  • Ressalto a relação grandiosa formada no grupo, o que facilitou as produções realizadas.
  • Grandiosa, também, foi a produção científica analisada, com diversas informações a serem identificadas, mas que possibilitaram uma análise aprofundada das questões propostas na fase 1 das tarefas.
  • A análise crítica elaborada possibilitou a percepção da dimensão de uma produção científica em nível de doutorado, exigindo um conhecimento aprofundado acerca dos referenciais teóricos na área de estudo e na área de metodologia científica.
  • Os indicadores de análise apresentados pelo professor tanto na fase 1 quanto na fase 2, possibilitaram que os doutorandos fossem bem orientados para o alcance das metas estabelecidas.

2ª PARTE

TEMA 4b: Técnicas qualitativas.

Professora: Luísa Aires

1. Sinopse

Elaboração de análise sobre a aplicação de técnicas de coleta de dados em investigações qualitativas, partindo das investigações analisadas no tema 3, ou de outras pesquisas, entretanto identificadas e aprovadas pela docente.

2. Objetivos

  • Elaborar análise sobre a aplicação de técnicas de coleta de dados em investigações qualitativas.

3. Tarefas propostas

As tarefas propostas compreenderam duas fases desenvolvidas sequencialmente e nos mesmos grupos formados no tema 3.

1ª fase

  • Partindo das investigações qualitativas analisadas no tema 3, ou de outras pesquisas entretanto identificadas e aprovadas pela docente, propomos que focalizem a análise na aplicação destas técnicas em investigações desenvolvidas, indicando explicitamente:
  1. Breve descrição do problema de investigação.
  2. Tipo de casos estudados.
  3. Roteiro da entrevista utilizado.
  4. Análise do discurso registrado na entrevista.
  5. Software utilizado para a análise.

2ª fase

  • Partilha da produção do grupo em fórum de discussão específico, criado pela própria professora.
  • Leitura e comentário das produções de todos os grupos
  • Feedback aos comentários que as produções do próprio grupo receber.
  • Debate a partir das propostas apresentadas.

4. Trabalhos produzidos

Técnicas Qualitativas

5. Fontes

Carmo, H. e Ferreira, M. (2008). Metodologia de Investigação. Guia para a Auto-aprendizagem. Lisboa: Universidade Aberta.

Flick, U. (2005). Métodos Qualitativos na Investigação Científica, Lisboa: Monitor.

George, C., Kaplan, N., &Main, M. (1984/1985/1996). Adult Attachment Interview. Manuscrito não publicado. University of California at Berkeley, EUA.

Ghiglione, R. e Matalon, B. (1992). O Inquérito. Teoria e prática. Oeiras: Celta Editora.

Trochim, W. (2006). Research Methods. Knowledge Base. Web Center for Social Research Methods.

6. Reflexão sobre a pertinência científica e pedagógica.

  • Foi a última tarefa neste Seminário realizada em grupo.
  • A continuidade na utilização da mesma tese para realização da tarefa contribuiu para a produção de um trabalho mais aprofundado, pois o grupo já conhecia a obra, apesar de aqui ter outra visão a ser analisada, a da abordagem qualitativa.

Tema 3: Estratégias de investigação

Professora: Manuela Malheiro

1. Sinopse

Estudo aprofundado de estratégias variadas de investigação científica, com análise crítica sobre uma tese de doutorado correspondente a uma das estratégias estudadas.

2. Objetivos

  • Fazer uma caracterização aprofundada de duas estratégias de investigação científica.
  • Identificar uma tese de doutorado em que tenha sido utilizada uma das técnicas de estudo, para descrição de sua utilização e elaboração de análise crítica.

3. Tarefas propostas

As tarefas que compuseram esta temática compreenderam duas fases com produções distintas, uma teórica e outra prática, integradas pela temática abordada e pela complementariedade de atividades, sendo formados, aleatoriamente pela própria professora, quatro grupos de trabalho, os quais desenvolveram estudos de oito estratégias de investigação:

  • grupo alfa: etnografia e estudos de avaliação;
  • grupo beta: estudos de caso e os estudos extensivos (descritivos) surveys;
  • grupo gama: investigação-ação e os estudos experimentais;
  • grupo delta: estudos biográficos e histórias de vida e os estudos quase-experimentais.

1ª fase

  • Caracterização aprofundada de duas estratégias de investigação, por cada grupo, indicando: objetivos, aplicabilidade, técnicas de recolhas de dados utilizadas, técnicas de tratamento e análise dos dados recolhidos e considerações sobre as estratégias de investigação.
  • Postagem da produção acadêmica em fórum específico para cada grupo, criado pela professora.

2ª fase

  • Localização de uma tese de doutorado em que tenha sido utilizada uma das duas técnicas estudadas, para descrever a sua utilização e fazer uma análise crítica dessa mesma utilização.
  • Postagem da produção acadêmica no mesmo fórum de trabalho utilizado na tarefa da 1ª fase.

4. Trabalhos produzidos

1ª fase

Estudos de Avaliação

2ª fase

Estudo Etnográfico

5. Fontes

1ª fase

ANDRÉ, M. E. (1995). Etnografia da prática escolar. São Paulo: Papirus.

BOGDAN, R. BIKLEN, S. (1994). Investigação Qualitativa em Educação. Porto: Porto Editora.

CARMO, H. FERREIRA, M. (2008). Metodologia da Investigação. 2ªed. Lisboa: Universidade Aberta.

CARLOMAGNO, T. VENTURA, M. (2005). Prática de ensino para licenciatura. Vol 2. Rio de Janeiro: Fundação CECIERJ.

CLOETE, F. (2006). Fundamentals of Evaluation Research. Journal of Public Administration, 41(3.1), 683-693.

DENZIN, N. LINCOLN, Y. (2005). The sage Handbook of Qualitative Research (3ªedição). London: Sage Publications.

FERREIRA, M (2008). A Prática da Investigação. In CARMO, H. FERREIRA, M., Metodologia da Investigação(2ªedição). Lisboa: Universidade Aberta, 227-228.

FLICK, U. (2005). Métodos Qualitativos na Investigação Científica. Lisboa: Monitor.

HERITAGE, J. “Recent Developments in Conversation Analysis”, Sociolinguistics, 15: 1-17.

LÜDKE, M. ANDRÉ, M. (2003). Pesquisa em educação: abordagens qualitativas. São Paulo: EPU.

MARINO, E. (2003). Diretrizes para avaliação de projetos e programas de investimento social privado. Dissertação de mestrado. São Paulo: USP.

MATTOS, C. L. G. de. (2001). A abordagem etnográfica na investigação científica. Disponível em http://www.ines.gov.br/paginas/revista/A%20bordag%20_etnogr_para%20Monica.htm Acesso em 12/01/2011.

SPRADLEY, J. (1980). Participant Observation. New York: Holt, Rinehart & Winston.

STAKE, R. (2009). A Arte da Investigação com Estudos de Caso (2ª edição). Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian.

TROCHIM, W. (2006). Research Methods. Knowledge Base. Web Center for Social Research Methods.

TUCKMAN, B. (2005). Manual de Investigação em Educação. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian.

2ª fase

ANDRÉ, M. E. (1995). Etnografia da prática escolar. São Paulo: Papirus.

BERGER, P. e LUCKMANN, T. (1999). A Construção Social da Realidade.

Lisboa: Dinalivro.

BOGDAN, R. BIKLEN, S. (1994). Investigação Qualitativa em Educação. Porto: Porto Editora.

CARLOMAGNO, T. VENTURA, M. (2005). Prática de ensino para licenciatura. Vol 2. Rio de Janeiro: Fundação CECIERJ.

CARMO, H. e FERREIRA, M. (2008). Metodologia da Investigação (2ªedição). Lisboa: Universidade Aberta.

DENZIN , N. & LINCOLN, Y. (2005). The sage Handbook of Qualitative Research (3ªedição). London: Sage Publications.

FLICK, U. (2005). Métodos Qualitativos na Investigação Científica. Lisboa: Monitor.

KAUFMANN, J.-C. (1996). L’entretien comprehensive. Paris: Ed. Nathan.

KAUFMANN, J.-C. (2004). L’invention de soi. Une théorie de l’identité. Paris: Armand Colin.

LALANDA, P. (1988). “Sobre a metodologia qualitativa na pesquisa sociológica” in Análise Social, vol.XXXIII (148), 4.º. Lisboa: ICS, pp 871-883.

LAROQUE, P. (s/d). As Classes Sociais. Lisboa : Editorial Estampa, Lda.

LÜDKE, M. ANDRÉ, M. (2003). Pesquisa em educação: abordagens qualitativas. São Paulo: EPU.

LUZE, Hubert (1997). L’ethnométhodologie, Paris, Ed. Economica.

MARINO, E. (2003). Diretrizes para avaliação de projetos e programas de investimento social privado. Dissertação de mestrado. São Paulo: USP.

MAROY, Christian (1997). “A análise qualitativa de entrevistas” in Práticas e Métodos de Investigação em Ciências Sociais, Lisboa, Gradiva, pp. 117-155.

MATTOS, C. L. G. de. (2001). A abordagem etnográfica na investigação científica. Disponível em http://www.ines.gov.br/paginas/revista/A%20bordag%20_etnogr_para%20Monica.htm Acesso em 12/01/2011.

MILES, M. B. e HUBERMAN, M. (1984). Qualitative Data Analysis A Source Book of New Methods, Beverly Hills, Sage.

SCHNAPPER, D. (2000). A compreensão sociológica. Lisboa:Gradiva.

SILVA, L. F. (coord.) (2004). Vivências de saúde e bem-estar. Projecto financiado por FCT/Feder no âmbito do CEMRI/UA.

STAKE, R. (2009). A Arte da Investigação com Estudos de Caso (2ª edição). Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian.

STRAUSS, A. CORBIN, J. (1998). Basics of Qualitative Research. London: Sage PublicationsGradiva

VAZ da SILVA, M. E. (2006).
“Se fosse tudo bem, a velhice era boa de enfrentar!”Racionalidades leigas sobre envelhecimento e velhice -um estudo no Norte de Portugal, Tese de doutoramento – Universidade Aberta.

6. Reflexão sobre a pertinência científica e pedagógica.

  • A temática marcou o inicio de uma nova fase no doutorado por conta da formação de grupo para desenvolvimento das atividades até o final da unidade didática, enriquecendo as produções e ampliando as possibilidades de troca de informações e construções de conhecimentos.
  • O grupo do qual participei demonstrou integração, respeito às diferenças e produção digna da prática de aprendizagem em rede, pois transcendemos as barreiras enfrentadas na educação on-line, superando as distâncias físicas e geográficas, pois mesmo minhas colegas Manuela Cachadinha e Maria Augusta Manso estando em Portugal e eu aqui no Brasil, a comunicação entre nós foi intensa durante a realização das tarefas. Agradeço pela contribuição de ambas!
  • As tarefas propostas tiveram uma sequência pertinente de atividades, pois realizamos inicialmente um estudo teórico de forma minuciosa acerca das estratégias de investigação e, posteriormente, tivemos a oportunidade de consolidar esse estudo com a análise prática sobre uma tese fundamentada metodologicamente em uma dessas estratégias, o que nos permitiu uma preparação mais sólida para elaboração de nossa própria tese.

Tema 2: Tipos de design da investigação educacional

Professor: Luís Tinoca

1. Sinopse

Análise reflexiva sobre diversos tipos de design na investigação educacional considerando os prismas: inovação; relação com abordagens tradicionais; dificuldades para implementação; implicações/conclusões.

2. Objetivo

  • Expandir o leque de possibilidades e atitudes quando confrontados com o design a adotar para a investigação em educação.

3. Tarefas propostas

As tarefas realizadas neste tema envolveram 3 fases, sendo foco principal da última fase a testagem da ferramenta tecnológica de webconferência, mas havendo, também, a valorização da troca de informação acerca do trabalho produzido

1ª fase

  • Leitura de 7 artigos do special issue The Role of Design in Educational Research (pp. 3-37) indicados pelo professor, sendo:
  1. The Design-Based Research Collective. Design Experiments in Educational Research (PDF).
  2. Paul Cobb, Jere Confrey, Andrea diSessa, Richard Lehrer, and Leona Schauble. Design Experiments and Laboratory Approaches to Learning: Steps Toward Collaborative Exchange (PDF).
  3. Bruce D. McCandliss, Mindy Kalchman, and Peter Bryant. How Design Experiments Can Inform a Rethinking of Transfer and Vice Versa (PDF).
  4. Brenda Bannan-Ritland. On the Science of Education Design Studies (PDF).
  5. Richard J. Shavelson, D. C. Phillips, Lisa Towne, and Michael J. Feuer. Exploring Modeling Aspects of Design Experiments (PDF)
  6. Finbarr C. Sloane and Stephen Gorard. Clinical Design Sciences: A View From Sister Design Efforts (PDF).
  • Formação de duplas entre os doutorandos para escolha de 1 dos artigos lidos, por cada dupla, visando a realização da produção acadêmica, com indicação informada via fórum de discussão pelos próprios doutorandos.
  • Análise do artigo escolhido considerando e respondendo aos seguintes questionamentos indicados pelo professor:
  1. Quais os aspectos mais inovadores da abordagem apresentada?
  2. De que forma se relaciona com as abordagens tradicionais descritivo/qualitativo e/ou experimental/quantitativo?
  3. Que dificuldades antecipam na sua implementação?
  4. Quais as principais implicações/conclusões?

2ª fase

  • Abertura de um novo tema com o título do artigo escolhido por cada dupla no fórum do tema em estudo para postagem da produção acadêmica com as respostas aos questionamentos apresentados pelo professor.
  • Comentário às respostas das duplas no âmbito dos demais artigos utilizados para a produção acadêmica.
  • Dar feedback aos comentários recebidos acerca da produção própria sobre Educational Design escolhido pela dupla.

3ª fase

  • Apresentação, por cada dupla, das respostas aos questionamentos em sessão síncrona por meio de webconferência.

4. Trabalhos produzidos

4.1. Produção proposta pelo professor

Produção Textual

4.2. Produção por iniciativa das doutorandas para apresentação na webconferência.

Apresentação

5. Fontes

BANNAN-RITLAND, Brenda. The role of design in research: the integrative learning design framework. Educational Researcher, vol. 32, n. 1, p. 21–24, jan.-fev. 2003.

6. Reflexão sobre a pertinência científica e pedagógica

  • A temática foi inovadora no âmbito dos estudos, pois nunca havia realizado leituras nessa área.
  • O tipo de investigação realizada no artigo disponibilizado para estudo foi muito interessante por estar voltada para a área tecnológica e da educação, articulando duas áreas que são de interesse acadêmico.
  • A sessão síncrona proposta para teste do recurso tecnológico de webconferência no Colibri foi muito significativa, tanto para quebra da barreira do pseudo isolamento do estudo a distância como para a troca ampliada de conhecimentos.

Tema 1: Metodologias de investigação e construção do conhecimento científico: abordagem epistemológica

Professora: Luísa Aires

1. Sinopse

Estudo epistemológico sobre as metodologias de investigação e construção do conhecimento, focando as virtualidades, limites e contrastes das abordagens quantitativa e qualitativa em educação.

2. Objetivo

  • Refletir sobre diferentes paradigmas de investigação em educação.

3. Tarefas propostas

As tarefas foram divididas em duas fases, o primeiro para produção individual e o segundo para debate entre os participantes, a partir das produções dos doutorandos.

1ª fase

  • Coleta e análise de textos, artigos e outros documentos referente à temática em estudo.
  • Elaboração de breve reflexão contendo exemplo concreto sobre “Virtualidades, limites e contrastes da investigação quantitativa e qualitativa em educação”.
  • Apresentação da produção final em fórum de discussão.

2ª fase

  • Análise das reflexões publicadas no fórum e discussão assíncrona em torno das reflexões.

4. Trabalho produzido

VIRTUALIDADES, LIMITES E CONTRASTES DA INVESTIGAÇÃO QUALITATIVA E QUANTITATIVA EM EDUCAÇÃO

5. Fontes

BABLOCK, H. (1973): Introduction à la recherche sociale. Gembloux : J.Duculot.

BAPTISTA, A. M. (1998): A Ciência no grande teatro do mundo. Lisboa: Gradiva.

BUENO, Shirley Neves. Formação de professores e saúde: entre o senso comum e o conhecimento científico. In: LEAL, Maria Cristina. LINHARES, Célia. (Orgs.). Formação de professores: uma crítica à razão e à política hegemônica. Rio de Janeiro: GP&A, 2002. P. 197-211.

COLÁS, P.; BUENDIA, L.; HERNÁNDEZ, F. (1998): Métodos de investigación en Psicopedagogia. Madrid: Mc-Graw-Hill.

DI TROCCHIO, F. (1998): Las mentiras de la ciencia. Madrid: Alianza Editorial.

GÜNTHER, Hartmut. Pesquisa qualitativa versus pesquisa quantitativa: esta é a questão? Disponível em http://www.scielo.br/pdf/ptp/v22n2/a10v22n2.pdf, acesso em 30/11/10.

SANTOS, B. S.(1987): Um discurso sobre as ciências. Porto: Edições Afrontamento.

WELLINGTON, Jerry. Educational Research: Contemporary Issues. Disponível em http://books.google.pt/books?id=glvWme8vEgQC&printsec=frontcover&dq=Educational+Research&source=bl&ots=1njwy_NfMc&sig=zB6rsPDsAqDMMZXpM7T8pH0wiOU&hl=pt-BR&ei=2tPiTOPBDMyAhQeuwIikDQ&sa=X&oi=book_result&ct=result&resnum=5&ved=0CDMQ6AEwBDgK#v=onepage&q&f=true, acesso em 04/12/10.

6. Reflexão sobre a pertinência científica e pedagógica

  • Possibilitou o início dos estudos e debate acerca da investigação científica por meio de leituras de concepções diversificadas para construção de uma base sólida acerca da temática como suporte aos temas subsequentes.
  • Aprofundou o conhecimento já elaborado acerca das especificidades do paradigma quantitativo e qualitativo.
  • As tarefas foram bem orientadas com indicação de referencial teórico diversificado para construção da produção solicitada.
  • O debate entre os participantes foi enriquecedor, em que todos comentaram e trocaram informações acerca das produções de todos os doutorandos.
Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.